quarta-feira, 7 de maio de 2014

Minha alimentação na gravidez

Olá!!!

5 meses :) 



Hoje decidi escrever um pouco sobre como tenho vivido a Alimentação Inteligente na minha gravidez. Desde que descobri que estava grávida, começaram os enjôos, e isso porque eu descobri com 3 semanas! rs Quer dizer, fiquei praticamente 3 meses e meio enjoada, indisposta pra muitas coisas, sem conseguir praticar atividade física!, e sem conseguir comer direito minhas queridas frutas e vegetais crus na quantidade que venho comendo esses últimos anos.
Pois é, muita coisa teve que ser adaptada nesses meses que meu corpo estava recebendo essa nova vida crescendo dentro de mim.

Antes de continuar, gostaria de deixar um pouco da minha reflexão sobre meus enjôos e minha indisposição. Afinal, muitos devem se perguntar: "Mas ela tem uma alimentação tão saudável, um estilo de vida ativo etc., como pode ter ficado tão enjoada?". Bom, ter a certeza absoluta do porquê eu fiquei enjoada, ninguém tem exatamente. Cada um fala uma coisa e acho que esse não é o ponto principal. Realmente é de corpo pra corpo…até porque, muitas mulheres que comem só porcaria não tem um pingo de enjôo. Acredito que muito também pode ter vindo da questão hormonal, que quando engravidamos recebemos uma avalanche de hormônios, e em alguns corpos pode dar uma bagunçada (no bom sentido) e originar os enjôos. Sem tentar explicar muito o porquê cientificamente que eu fiquei indisposta, vou na verdade dizer algo que pra mim faz muito sentido que pode ter contribuído pra isso.

Ano passado foi um ano de muito trabalho pra mim, muita correria da boa (pois eu fiz tudo que gosto de fazer), e um ano de muitas provações internas (emocionais), e claro, acabou sendo um ano muito cansativo, tanto mental, físico e emocional. Acho que no momento que fiquei grávida, o meu corpo falou: "Malu, tá na hora de parar um pouco. Internalizar. Se conectar com esse bêbê, com essa benção que lhe foi dada e prestar atenção em cada detalhe, em cada momento." 

Dentro desse ano desafiante, eu e meu marido (antes meu namorado) falávamos muito de ter filhos, de casar, enfim, jogamos pro Universo nossa vontade interna de muitos sonhos. E pronto! Concebemos nosso bêbê e casamos. :)

Nosso casamento :) 


Como o meu ciclo menstrual é bem regradinho, assim que a menstruação não veio, eu soube que seria muito provável que eu estaria grávida. Deixei passar 1 semana de atraso só pra ter mais certeza. Fiz os testes de farmácia e de sangue, e… deu positivo em todos! Pura alegria! :)

Passado alguns dias, os enjôos matinais começaram a acontecer. De repente meu paladar também começou a mudar. Antes minhas manhãs só de frutas, meu almoço de frutas e vegetais e meu jantar da mesma forma ou com uma sopa, ou amiláceos cozidos, ou arroz integral e outras refeições cozidas leves, foi mudando drasticamente! Simplesmente eu não conseguia mais comer tanta fruta, a verduras não me atraiam de jeito nenhum!! pois elas contém muita quantidade de água (principalmente para a quantidade que eu comia normalmente) e as grávidas tendem a sentirem mais enjôos com líquidos e, claro, com grandes quantidade de alimentos ricos em água. Fui ficando enjoada mesmo de tudo. Foi muito difícil pra mim aceitar tudo aquilo e ter que comer outros alimentos (para não deixar de comer nada).

Meu desjejum começou a ter que incluir pão integral (torrada) porque era seco, ou tapioca.

Meu almoço começou a ser praticamente alimentos cozidos porque era o que descia, e acabei incluindo alguns poucos dias ovo caipira, também pois ele tem lá seus benefícios nutricionais como suplemento (b12, proteína, ferro etc.),  Porém, para alcançar tais benefícios nutricionais é preciso que se consuma uma grande quantidade de ovo, o que paralelamente pode ocasionar outros problemas de saúde pelo seu excesso. Então, foi mais uma tentativa mesmo, uma experimentação. Mesmo sendo vegana durante tanto anos, acabei abrindo essa exceção até por não conseguir comer muitos alimentos nesse início. Então, achei melhor comer um alimento de origem animal mais forte porém ainda mais leve do que as carnes (que não vejo realmente necessidade de consumir, mas isso fica a critério de cada um). Quero deixar bem claro que esse foi o meu caso, e não será necessariamente o caso de todo mundo (ninguém precisa sair comendo ovo e/ou carnes porque é muito necessário na gravidez, nada disso). É preciso ter consciência no que se consome, e quando se opta por se alimentar de alimentos de origem animal, o melhor será fazer a escolha de fontes orgânicas e o mais natural possível.  Porém, continuarei sempre dizendo, alimento de origem animal é suplemento (se precisar ser usado) e não alimento para o dia a dia ao meu ver. Temos mil e uma possibilidades de alimentos vegetais que conseguem suprir muitas das nossas necessidades diárias e por isso que fiquei durante 8 anos vegana numa boa tendo que suplementar somente a b12 há pouco tempo.

De verdade mesmo, ainda fica difícil pra mim comer ovo, acho que pelo peso que ele me dá depois que como. Acabou sendo uma opção de suplementação pelo fato de eu não conseguir comer muitos alimentos e quantidade suficiente devido ao enjôo. Eu cheguei a emagrecer 3 kilos! Se irei continuar consumindo-o ou não, ainda vou avaliar durante o período da gravidez, mas provavelmente não acho que consumirei mais.

Somente o fato de comer muito mais alimentos cozidos do que crus grande parte do meu dia, já fez eu me sentir mais pesada (é incrível a leveza dos alimentos crus!). E o fato de não conseguir comer - por mais que eu quisesse - as frutas e os vegetais crus em grande quantidade como de costume, realmente mexeram comigo. Mas, foi positivo também por um lado. Ter que aceitar (e agradecer) tantas mudanças que esse Serzinho já estava me fazendo ter que rever, já foi um grande aprendizado, e fico muito feliz de compartilhar com vocês. Mas, é bom deixar bem claro por aqui que uma alimentação saudável, principalmente na gravidez, é extremamente importante conter MUITAS FRUTAS E VEGETAIS crus, frescos e de preferência orgânicos. Eles são a base da nossa alimentação. O restante bem preparado e consumido fresco é complemento ;) Então gravidíssimas, se não estiverem enjooando, comam bastante alimentos crus e frescos!

O sol sempre aparece!

O bom de tudo é que semana passada completei 5 meses! Minha barriguinha cresceu consideravelmente como podem ver na foto lá em cima :), ganhei 1 kg e 300g, voltei a praticar exercícios físicos (caminhadas diárias na areia fofa e Yoga para gestantes) e meu paladar voltou com tudo para os alimentos mais sutis, crus, frescos e abundantes em água! Finalmente minhas manhãs voltaram a ter abundância de frutas, meu almoço tem muita salada crua e outros alimentos como feijão; arroz; vegetais cozidos; tapioca; quinua, e meu jantar tá ficando entre frutas ou sopas de vegetais. Ô coisa boa! Realmente (para o meu corpo) o melhor são os alimentos simples, as refeições simples e em sua maioria crus. Me sinto outra! Como só agora estou reajustando minha "dieta de gravidez" ainda não está completamente certinha. Ela tá se realinhando. Ainda quero ter ela mais certa e com informações nutricionais para poder compartilhar com vocês.  Outro detalhe é que acabei começando a tomar um suplemento vitamínico para gravidez (New Chapter Perfect PreNatal Multivitamin+, todo vegetariano, orgânico, sem corantes ou sabores artificiais, comprei nos EUA, mas vc pode pedir pela internet) devido a minha dificuldade no começo de consumir tudo o que eu precisava de alimentos naturais (como já falei), mas com certeza uma pessoa que consegue ter desde o começo uma alimentação balanceada e natural e não passe por tantos enjoos, pode ficar "suplementando" somente com o aumento de certos alimentos mais ricos em nutrientes que precisamos mais nesse período. Como tá bem explicado por aqui, meu caso foi à parte e adaptei como pude da melhor forma possível. O restante da gravidez agora vai ser bem mais tranquilo de reequilibrar somente com os alimentos.

Outro ponto foi minha vitamina b12. Para quem não sabe, 50% dos vegetarianos tendem a ter baixa dessa vitamina em algum momento, porém 40% dos não-vegetarianos também podem ter diminuição dessa vitamina. Quer dizer, dependendo do seu estado completo de saúde do momento quando se inicia a gravidez no corpo da mulher, pode haver baixa de algumas vitaminas, inclusive desta b12. Por isso, tive que suplementar também essa vitamina para não ter nenhum problema, pois a minha já estava um pouco baixa e com a gravidez baixou mais ainda. Então fiquem atentas minhas queridas, vegetarianas ou não. Lembre-se que no mundo atual que vivemos, infelizmente, em alguns momentos será preciso suplementar.

Última reflexão: Julgamos e nos julgamos demais (falo por mim mesma), e o grande segredo é saber como utilizar os alimentos naturais ao nosso favor nos vários momentos de nossas vidas. A minha bandeira é a Alimentação Inteligente, aquela que te conecta com seu corpo interno e externo, que te deixa leve, que faz sua digestão acontecer de forma otimizada, que faz com que vc consiga absorver todos os nutrientes devido à boa combinação dos alimentos na refeição, que respeita a natureza e que não te intoxica pois vem (em sua maioria) de cultivo orgânico e natural, que faz você ter muita energia, clareza mental e disposição para viver a vida na positividade. Enfim, como muitos de vocês podem ver, eu mudei, e continuarei mudando durante toda a minha vida, pois não somos exatos, prontos e sabemos tudo. Não, ao contrário, somos um fluir como as águas... uma metamorfose ambulante. E eu prefiro ser! Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo.

Fico feliz de continuar compartilhando e espero poder sempre contribuir para uma melhor saúde de vocês em todos os sentidos.

Gratidão e muitos beijos de Luz,

Malu Paes Leme



Se inscreva no site!
www.alimentacaointeligente.com.br

Curta no Facebook! 

www.facebook.com/alimentacaointeligente 
www.facebook.com/malupaesleme

Me Siga no Instagram!

@malupaesleme


12 comentários:

Mari Camara disse...

isso ai Malu!!! feliz por vc. que bom q nao precisa comer carne, tenho medo disso!!! felicidades!

Anônimo disse...

Que linda essa barriguinha :)
Feliz por vc estar melhor... bjs de luz... Jenyfer

Vanessa Mattos disse...

PARABÉNS!!!! Muita saude pra ti e pro bb. Tá certíssima em se adaptar ao que seu corpo pedia. Gravidez é assim mesmo. Eu enjoei por 7 meses da minha filha e o que me dava sustentação eram os sucos de frutas e legumes variados. No começo nem água parava, mas então o corpo muda e se adapta e no fim dá tudo certo. A maternidade é uma dádiva que nos foi concedida. Aproveite bem que passa rápido. Bjs \õ/

Patrícia Gomes disse...

Antes de tudo, seja bem vinda ao que será a blogosfera materna, vai ver que logo abrirá outro blog :-) Ai, qto aos enjoos ninguém escapa pq tem a ver com os hormônios e não somente com a alimentação, mas uma coisa é certa: assim como uma alimentação ruim desgraça uma saúde perfeita, piora os enjoos demais! Enjoei 4 meses, tive um mês de vida perfeita e depois começaram as cãimbras matinais, que duraram até o fim da gestação. Mas agora são só histórias, nada melhor do que ouvir aquele berro inesquecível que, nao sei pq, alguém chamou poeticamente de choro rs

Bruna San Roman disse...

Parabéns pela nova fase! E que bom que vc conseguiu voltar aos poucos com os crus, eles são mesmos mágicos, tbm me sinto completa e leve me alimentando com eles.... Beijos e tudo de bom pra vc e pro baby... =)

Bruna San Roman disse...

Parabéns pela nova fase Malu, e que bom que seu corpo voltou a aceitar os crus! São de longe os melhores alimentos que nós humanos temos a nossa disposição! Felicidades e mta saude pra vc e pro baby! =)

Sandra disse...

Oi Malu
Malu você tá muuuuito linda! Parabéns! Que toda a luz de amor e prosperidade banhem você e sua linda familia. Bjs

Suyen Miranda disse...

Parabéns tanto pela felicidade da vida a dois, pelo bebê quanto pelo discernimento nas decisões! Espero em breve estar neste mesmo momento, e desde já procuro harmonizar com quem vier para esta dimensão para que esta fase gestacional seja muito harmoniosa! Fique com Deus e vá nos contando para compartilhar alegrias!

Larissa Lara disse...

Quelinda! Felicidades mais ainda pra vc! Luz no seu caminho...bjos

Ecodea disse...

Malu, amei o post super sincero! Me remeteu às minhas próprias experiências com o crudismo depois da minha segunda gestação, até deu vontade de escrever novamente no meu blog que há tanto tempo está as moscas :)

Na minha terceira gestação, da minha filha, enjoeei as vitaminas verdes, mas gostava de tomar suco verde. Vai entender! rsrsrs E agora na última gestação sentia uma vontade visceral de comer carne vermelha.

Basicamente, desde minha segunda gestação (que infelizmente acabou num aborto), nunca mais consegui voltar ao crudismo. Depois veio a minha filha e depois o meu terceiro filho, amamentação dos dois conjuntamente... Enfim, agora os menores estão com 3 e 1 ano, respectivamente, e estou num lento caminho de volta.

Em suma, a gestação e a maternidade são períodos maravilhoso de auto-conhecimento e descoberta se estivermos abertos a isso (oq com certeza vc está!!).

Por sinal, tem uns livros maravilhosos: "Birthing from within" (os livros da Pam England em Geral) e os livros da Laura Guttman "Maternidade e o encontro da própria sombra", "O poder do discurso materno", etc.

Lembro também de um post que fiz sobre a questão do crudismo e o aborto que tive http://apressadonaocomecru.blogspot.com.br/2009/08/duas-perdas-e-varias-reflexoes.html (vc até comentou na época).

Enfim, muita luz e amor para vocês nesse momento tão especial!!

bjsss

Cris Temer disse...

Olá Malu, fico muito feliz com sua análise tão adequada já no ínício. Eu quando engravidei também não comia carnes. Até hoje não como e a Sophie também não. Amamentei até os 9 meses e meio exclusivamente à minha filha e até os doia anos e meio dela quando a partir dos 9 meses e meio ela começou a comer algumas frutas. Eu fiz a dieta 80/10/10 para ela dos dois e meio dela até os 3anos e arrumei um grande problema para ela (glicemia dela foi lá no alto e vários problemas de desmineralização dentária devido à isso). Resultado: Cortei drasticamente frutas doces, introduzi ovos e óleo de fígado de Bacalhau (que aliás, eu se pudesse, sugeriria que você pesquisasse a respeito no site da Green Pasture), enfim, ela continua não comendo carnes, mas fiz várias adaptações. A Tapioca é sem dúvida uma ótimo opção e comemos 99% orgânicos. Sugestão também: Leia, se puder o livro Cure Tooth Decay. No mais é isso: avaliação, análise e reavaliação. Sabedoria sempre e luz eterna.

Mundo Gaia disse...

primeira vez que entro no seu blog.. gostei do relato.. me identifiquei bastante.. meu filhote tem 8 meses e estamos firme e fortes numa alimentação mais inteligente!
fiz um relato do meu parto, caso tenho interesse em ler:
http://jamiarmazen.blogspot.com.br/

mt amor pra vcs.. agora vc vai entender profundamente esse sentimento..
o mundo precisa de mamães mais conscientes

abraçO!