sábado, 10 de outubro de 2009

No Impact Man ...


Queridos!!!
Estou muito animada, feliz e otimista!!!
Simplesmente, anteontem, eu assisti a um documentário no Fetival de Cinema do Rio de Janeiro chamado " No impact man" ( O homem "verde", que não causa impacto no mundo). Maravilhoso!

Esse cara - Colin Beavan, um historiador - resolveu experimentar durante 1 ano não causar impacto algum no meio ambiente, junto de sua mulher e sua filha de 2 anos...porém, ele e ela -principalmente - eram consumistas, viciados em comida de delivery, em cafeína etc, que não sabiam nada de " como ser mais ecológico" e que moram nada mais, nada menos que na 5th Avenida em Nova York. Isso mesmo, ele morava no centro de Nova York. E então ele começou uma busca rápida para saber mais ou menos como começar... Umas das coisas era: só comer alimentos orgânicos e locais; não usar pasta de dente, gilette, cosméticos e cia. e produtos de limpeza; ficar sem energia elétrica (!) - então nada de geladeira, ar condicionado, luz, computador, TV, celular etc ; somente usar bicicletas e os pés! - eles não pegavam nenhum tipo de transporte, nem o público, então nada de onibus, avião, taxi, carro etc... ; não usar fraldas; não utilizar elevador- pois gasta energia - somente subir escadas e muito, muito mais.

A princípio, parece impossível, loucura, ridículo...mas, ele conseguiu! E deu muito certo.

O que eu gostaria de comentar sobre este documentário e assim podermos fazer uma reflexão é que para se chegar a um objetivo - que é causar o mínimo impacto no planeta e na nossa saúde - nós podemos escolher 2 caminhos : um é mudando o exterior: reciclar, não utilizar muita energia elétrica, usar bicicleta etc... e a outra alternativa é mudar sua alimentação por inteiro - apenas comer frutas, vegetais e poucas castanhas e nozes cruas e orgânicas, no qual, acredito eu, foram feitos para nós seres humanos comer; e tudo isso CRU. Ou mudar os dois! :-)

O primeiro muda o sistema vivo externo; o segundo muda o sistema vivo interno. Os dois são muito benéficos e acaba que irão se encontrar no meio do caminho. Eles fazem parte um do outro...e fica muito difícil separá-los.

No documentário, ele optou por modificar, primeiro, o sistema vivo externo, e um pouco do sistema vivo interno... Eles pararam de comer carne, mas continuaram comendo laticinios, mas somente orgânicos e da região. Ele pararam de comer alimentos prontos e embalados. Eles só comiam alimentos da estação e orgânicos. E tudo isso já foi bem impactante na saúde deles, pois a mulher dele que tinha principio de diabetes, melhorou...ele emagreceu 10 quilos nas primeiras semanas, etc, etc... Um coisa levou a outra. E além de tudo, uma das coisas mais bonitas que achei foi que, com essas mudanças, eles repararam que o consumo de coisas, roupas etc era desnecessário; eles começaram a reparar na natureza e nas estações - inclusive ele ajudou um cara que tem uma horta no meio da rua em Nova York- e com isso ficou mais próximo da natureza e de sua grandiosidade, que é o crescer, o mudar constante, o renascer, o brotar... foi lindo! No final, a mulher dele dá um depoimento falando como ela começou a reparar nas massividade das propagandas e como tudo aquilo não faz sentido...e que o simples é a melhor escolha.

Porém, no meu caso, eu escolhi mudar primeiro o meu sistema vivo interno . E cheguei a esta alimentação/estilo de vida que não causa quase nenhum impacto, pois o meu alimento não vem embalado em um bando de plástico, papel, embalagens... não é adicionado nenhum conservante, aditivo químico, açúcar, sal, condimentos, etc ; é "lixo" 100% orgânico; a maioria da frutas e vegetais são alimentos locais; eu como de acordo com o que dá na estação; e além disso tudo, isso me fornece todos os nutrientes necessários para eu viver saudavelmente, para meu corpo funcionar perfeitamente...então isso me faz ter muito mais energia e saúde para andar de bike e fazer minhas compras de alimentos nas feiras; me faz subir escadas de muitos andares - pois tenho fôlego e energia tranquilamente; me fizeram, também, olhar para o mundo com outros olhos... ver beleza e alegria na vida...pois, o meu sistema vivo interno está funcionando bem, está estruturado, está sendo renovado e limpo o tempo todo sem nenhuma dificuldade... percebo mais a natureza, a mudança do tempo, e me sinto interligada com esse universo, pois meu corpo está livre de estimulantes, de "resíduos" alimentares que me anestesiam, que me impedem de perceber o mundo como ele deve ser : lindo e bom de se viver.

Enfim, eu prospero e não, simplesmente, sobrevivo nesta cidade grande.
É possível minha gente. É possível.
Essas 2 escolhas são uma consequência uma da outra.

Então façam a escolha que acharem melhor... Mas, pra mim, o primeiro mundo que tem que ser mudado é o próprio, o interno. A consequência exterior fica muito mais fácil, mais nítida e agradável de se viver.

E tenho uma dica maravilhosa. Esse cara do documentário está propondo um desafio de 1 semana sem causar impacto nenhum.
Vamos? É só entrar neste site e se cadastrar: http://noimpactman.typepad.com/ e depois dê uma olhada neste tb : http://noimpactproject.org/change/

Vale muito a pena! Eu tô nessa. Espero que sigam esta dica.

Um grande beijo e boa noite!

Malu

2 comentários:

Ecodea disse...

Adorei o post Malu e vc ter contado um pouco da sua história!
Engraçado que eu acompanhei o blog do "no impact man" durante um tempo, depois nao vi mais e agora várias pessoas estao comentando o documentário dele, tou doida pra ver!
bjs

Rogerio Floripa disse...

Baixar o Documentário - No Impact Man - http://mcaf.ee/i06td