segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Educação Sustentável

Muito se fala hoje em desenvolvimento sustentável, sendo esse conceito já bastante difundido e
distorcido em todos os campos do conhecimento científico. A palavra desenvolvimento é contraditória, pois a partícula “des” significa negação. Portanto desenvolvimento seria um não-envolvimento. E acrescentar a palavra sustentável faz com que o termo seja além de contraditório, ambíguo. O termo desenvolvimento foi incorporado com o sentido de progresso para justificar um crescimento baseado num mercado consumidor e numa lógica econômica, não relacionando isso ao respeito ambiental. Temos que estar cada vez mais envolvidos com o ambiente. Involvere, do latim, tem sentido de abranger e também de seduzir, cativar. Hoje é necessário muito mais um envolvimento baseado numa sedução entre indivíduo e ambiente, ao contrário do que é feito no discurso desenvolvimentista, que não deseja cativar pessoas, mas apenas impor suas condições de crescimento pautado no consumismo.
Para um Envolvimento Sustentável que se realize na prática, devemos saber que existe uma
incompatibilidade de princípios entre sustentabilidade e capitalismo.
No discurso desenvolvimentista do capital, tenta-se conciliar dois termos inconciliáveis dentro do atual contexto da globalização capitalista. O conceito de sustentabilidade é impensável e inaplicável nesse ponto de vista.
Para sua realização, deve possuir uma componente fundamental que é a sustentabilidade educacional, pois para termos a preservação ambiental, dependemos de uma consciência ecológica, e a transformação dessa consciência depende da educação (GUTIÉRREZ, 1999).
Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar a possibilidade para sua construção.
O ato de educar se constitui no processo em que um aprende com o outro na convivência, se transformando de forma espontânea, de maneira que seu modo de viver se faz progressivamente mais congruente com o do outro no espaço de convivência (FREIRE, 1987).

Alienação

Os resíduos são apontados pelos ambientalistas como o maior problema ambiental urbano atual,
tendo-se tornado objeto de diversas propostas técnicas para seu enfrentamento.
No entanto, muitos desses programas são planejados de forma reducionista.
Em função da reciclagem, incentivam apenas a coleta seletiva de lixo, não permitindo espaço para implementação de políticas pedagógicas ambientais. Com isso a reciclagem do lixo torna-se uma atividade-fim, em vez de considerá-la um tema-gerador para o questionamento das causas e conseqüências da questão do lixo.
A compreensão da necessidade de gerenciamento integrado dos resíduos sólidos propiciou a
formulação da chamada Política dos 3R’s - recebendo essa nomenclatura devido à junção das
palavras “Reduzir”, “Reutilizar”, e “Reciclar”. Antes de ser um problema de ordem técnica, a questão do lixo é um problema cultural. Desde que a economia afirma que a produção tem como finalidade o consumo, a sociedade moderna estabeleceu como objetivo aumentá-lo, desenvolvê-lo e o consumo passou a ser entendido como qualidade de vida e bem-estar. Hoje ele é responsável por problemas ambientais, não podendo mais ser compreendido unicamente como sinônimo de felicidade (CAPRA, 2003).
A reciclagem pode ser o traço de união entre produção e consumo, mas é também a alienação do
consumismo como fator de degradação ambiental e engrenagem dos mecanismos sociais de
acumulação de capital. O ato de reciclar, ainda significa muito pouco em relação à melhoria
ambiental, mas isso não quer dizer que a idéia da reciclagem deva ser abandonada; ao contrário,
essa constatação evidencia o tamanho do desafio que há pela frente (BRÜGGER, 1994)
**Tirado do trecho do curso " Pedagogia da Energia" ministrado por Rafael Ninno Muniz em Santa Catarina. http://rafaelninno.googlepages.com/


E isso tudo quer dizer meus queridos, que reciclar não é o fator principal para a melhora no impacto que causamos no planeta. Temos que parar de consumir tanto! Não há outra forma a não ser essa. Precisamos reavaliar o que realmente nós precisamos para viver bem e feliz. Será que é ter tanta coisa?? Juntar, juntar, juntar e depois? Vai fazer o que com tanta coisa? Jogar fora é claro... mas para onde vai esse lixo? Vai se acumulando por aterros espalhados por aí... E outra coisa... um dos principais consumos que destroem o planeta - literalmente - é o "alimento de cada dia" ...sim sim.. esse mesmo...que você come todo santo dia. Pois é, se ligou nesse frase? Todo o santo dia. Imagina agora quanto lixo vc acumula - sozinho - no seu dia-a-dia : embalagens de pães de forma - lixo: tanto da embalagem quanto de nutrição - , embalagem do queijo - que além de contribuir para a degradação ambiental, ainda contribui para a sua degradação, no seu organismo , concentrando 20 vezes o leite + sal + especiarias + bactérias + gordura + alumínio + sangue e pûs (das tetas das vacas machucadas de tanto sugarem leite) + antibióticos + hormônios = alimento altamente alergênico! Caramba! E tudo isso por menos de 5 reais! Parabéns! Grande contribuição! ; papéizinhos de bala e chiclete; latas e garrafas de refrigerante; embalagens de alimentos congelados ( que quando são esquentados no microondas são altamente cancerígenos!) ; latas de alumínio como ex: de leite condensado ( só para você saber, para se fazer o leite condensado despejam uma lata enorme de leite (e tudo aquilo que eu falei lá em cima) e outra na mesma proporção de açúcar branco + outros produtos químicos + além da latona de alumínio que é onde é mexido a mistura soltando aos poucos partículas de alumínio para o tão querido leite condensado! Que beleza! :-) e depois não sabem porque os avós estão com parkinson -anos e anos consumindo alimentos, produtos de beleza que contem alumínio... etc etc etc.... Parem pra pensar. Reavaliem. Sejam o exemplo. "Seja você a mudança que quer ver no mundo." Dalai Lama .
E uma das primeiras mudanças, acreditem, é através da alimentação. O caminho para prosperar na saúde e causar um impacto mínimo no planeta é tão gratificante que vale a pena tentar. Procurem consumir mais frutas, vegetais e poucas castanhas e sementes. Dê preferência ao produto orgânico. Faça o possível. O retorno é maravilhoso, pode acreditar. Saúde plena e consciência limpa.
Inclusive queria já adiantar para vocês, que estou preparando um curso - com uma amigo meu Eduardo - muito interessante, dando muita informação teórica e prática para um novo começo, uma nova visão, um novo meio de chegar ao bem estar em todos os sentidos. Quando estiver pronto, irei avisá-los.

É isso. Reflitam.
Bj Grande,
Malu

Um comentário:

Fernanda disse...

tem total razão! um dia, com certeza, a consciência se tornará o equilibrio do mundo!!! to com vc, sempre!
mil bjs!